PROCESSO SELETIVO 1/2018 - INGRESSO 2/2018

Período de inscrição: 02/05/2018 - 03/06/2018
 
O Programa de Pós-Graduação em Oceanografia Física, Química e Geológica (PPGOFQG) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) divulga editais para seleção de candidatos para os cursos de Mestrado e Doutorado. As inscrições estão abertas até 03 de Junho de 2018 e podem ser iniciadas no site do sistema SIPOSG (www.siposg.furg.br).

Poderão se candidatar a seleção de Mestrado, comprovando a sua conclusão até a data da matrícula (2o. Semestre de 2018): portadores de diploma, certificado ou atestado de conclusão em curso de graduação, de duração plena em Ciências Exatas e da Terra (e áreas afins), fornecido por instituição autorizada pelo Conselho Federal de Educação ou por instituição de ensino superior de outro país, devidamente revalidado. As mesmas exigências aplicam-se para o caso de diplomas e certificados de conclusão emitidos no exterior. Nestes casos, os diplomas e certificados em outro idioma não necessitam ser acompanhados de tradução juramentada para o português.

Poderão se candidatar a seleção de Doutorado, comprovando a sua conclusão até a data da matrícula (2o. Semestre de 2018): portadores de diploma, certificado ou atestado de conclusão de curso em nível de Mestrado. As mesmas exigências aplicam-se para o caso de diplomas e certificados de conclusão de Mestrado emitidos no exterior. Nestes casos, os diplomas e certificados em outro idioma não necessitam ser acompanhados de tradução juramentada para o português.

Mais informações sobre o processo estão disponíveis nos editais de Mestrado e de Doutorado, que podem ser acessados no sistema SIPOSG (www.siposg.furg.br) e no site do Programa (www.ocean.furg.br).

Segue no link abaixo o cronograma de entrevistas - edital estágio 01/2018

Cronograma

Instituto de Oceanografia (IO) da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) divulga o edital para seleção de estágio remunerado na Secretaria Geral do Instituto de Oceanografia. As inscrições poderão ser realizadas de 23 a 25 de abril, pelo e-mail marciaborges@furg.br, com o assunto “Seleção Estágio”.

Maiores Informações podem ser obtidas no edital, que pode ser acessado no link abaixo.

Edital

A palestra intitulada: "Paleolimnologia de lagoas costeiras e paleoceanografia do cinturão de lodo da plataforma continental uruguaia" ocorrerá na próxima quinta-feira.

Data: 05/04/2018
Local: Sala Estuários - CIDEC-SUL
Hora: 14:00h

É com satisfação que divulgamos a publicação do artigo da Dra. Sanye Soroldoni Guimarães, egressa do Programa de Pós Graduação em Oceanografia Física, Química e Geológica, do Instituto de Oceanografia da FURG. O artigo trata das Partículas de Tintas Anti-incrustantes, que são um importante resíduo tóxico encontrado em ambientes estuarinos, costeiros e marinhos, principalmente próximo a regiões de portos e estaleiros, como é o caso do Estuário da Lagoa dos Patos. O artigo intitulado "Antifouling paint particles: sources, occurrence, composition and dynamics" foi publicado num importante periódico da área da Oceanografia: Water Research (fator de impacto 6,9). Além disso, o artigo contou com a participação de mais uma aluna do PPGOFQG, a doutoranda Fiamma Abreu, e os professores também do PPGOFQG Ítalo Braga, Osmar Moller Jr e Gilberto Fillmann, sendo realizado sobre orientação da profa. Grasiela Pinho.

Para acessar o trabalho https://doi.org/10.1016/j.watres.2018.02.064

Entre os dias 8 e 17 de janeiro, sete alunos de graduação (Ciências Biológicas - Zoologia) e três professores da University of Leicester, do Reino Unido, estiveram em Rio Grande para um curso de verão, organizado por professores do Instituto de Oceanografia (IO), Grasiela Pinho e do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), Duane Fonseca, da Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Durante os nove dias, professores e alunos de pós-graduação do IO e ICB ministraram aulas em campo e em laboratório.

Esta é a terceira temporada do curso. A atividade integra a grade curricular de alunos de Ciências Biológicas da University of Leicester.

O grupo chegou à cidade na tarde do dia 8/1, quando houve uma palestra de boas-vindas.

As atividades de campo iniciaram na terça-feira (9/1), com uma saída de campo nas marismas da Ilha da Pólvora e Ilha dos Marinheiros sob responsabilidade do professor César Costa (IO-FURG). No dia seguinte, o grupo seguiu para a ESEC do Taim, para a observação da fauna e flora, com especial atenção para a observação de pássaros – hobby extremamente popular para os ingleses. Nesta oportunidade também foram demonstradas técnicas de coleta de insetos, assim como observação da biodiversidade da entomofauna da região. Na quinta-feira (11/1) o grupo seguiu para a Praia do Hernemegildo, onde foi feita a prospecção de fósseis nos Concheiros e observação de aves migratórias, mamíferos marinhos e répteis na praia. Nestas atividades atuaram as professoras do IO-FURG Paula Dias e Silvina Botta, bem como a técnica Débora Diniz.

Na sexta-feira, a programação foi um aula prática em ecotoxicologia e ecofisiologia no ICB que consistiu em experimentos com invertebrados para avaliar os efeitos da exposição à herbicidas e hipoxia no na atividade de algumas enzimas e no comportamento dos animais.

No sábado, o grupo participou de uma atividade científica-ambiental de coleta de lixo na Praia do Cassino. O lixo foi coletado seguindo uma metodologia científica pré-estabelecida e teve como responsáveis do IO-FURG o Dr. Fábio Lameiro, a doutoranda Ana Luzia Figueiredo e a técnica Roberta Barutot. Após, foi feita uma visita guiada pelo técnico Marcelo Okamoto na Estação Marinha de Aquicultura da FURG. Após o domingo livre, na segunda-feira (15/1), o grupo embarcou na Lancha Oceanográfica Larus e navegaram pelo estuário, fazendo coletas de zooplâncton e parâmetros físico-químicos, além da observação de mamíferos marinhos. As atividades foram sob responsabilidade dos professores do IO-FURG Erik Muxagata e Osmar Moller Jr.

No último dia de curso, terça-feira, os alunos trabalharão nos dados coletados ao longo de todas as saídas e elaborarão relatórios e apresentações sobre todas as atividades desenvolvidas durante o curso. Em 17 de janeiro, o grupo retorna para a Inglaterra, onde darão continuidade ao trabalho desenvolvido durante o curso na FURG.

Este curso dá continuidade às atividades desenvolvidas no âmbito do Memorando de Entendimento, estabelecido em maio de 2015, entre a FURG e a University of Leicester. Por este Memorando, as duas instituições concordaram em promover e desenvolver a cooperação nas áreas de Ciências Biológicas e Oceanografia Biológica, Física, Química e Geológica, através de programas cooperativos de ensino e pesquisa.

Margareth Copertino

Laboratório de Ecologia Vegetal Costeira, Instituto de Oceanografia – FURG

marga.copertino@gmail.com

 

A vigésima terceira Conferência das Partes (COP 23) para a Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (UNFCCC) ocorreu em Bonn, Alemanha, entre os dias 6 e 17 de novembro de 2017.  A COP é o principal evento e corpo decisório da UNFCCC, que tem como meta avaliar e decidir sobre as ações que devem ser implementadas pelos países membros (partes) no intuito de reduzir as emissões de gases de efeito estufa no planeta. A COP 23 é a segunda conferência desde o Acordo de Paris de 2015. Este acordo, assinado por 195 países membros, estabelece que o aquecimento global deve permanecer até 2 oC acima dos níveis pré-industriais, perseguindo esforços para limitar o aumento da temperatura em até 1.5 oC. Durante a COP 23 as partes signatárias discutiram e negociaram os detalhes de como este acordo irá funcionar a partir de 2020. Embora ocorrendo em Bonn, esta COP foi sediada e acolhida por Fiji, país que pertence ao grupo das Small Islands Developing States, extremamente vulneráveis aos desastres naturais e impactos das mudanças climáticas. Além das sessões e reuniões oficiais entre lideranças mundiais e segmentos políticos nacionais, diversos outros eventos, sessões e exposições ocorreram durante a COP promovidos pela UNFCCC, assim como por outras organizações internacionais e intergovernamentais, ONG’s, instituições de pesquisa e educação, setor privado e autoridades nacionais.

 Um dos destaque da COP 23 foi o Ocean Action Day, que ocorreu no 11 de novembro. O evento destacou os progressos realizados em tópicos urgentes relacionados com oceanos e mudanças climáticas, assim como os esforços da sociedade para identificar e implementar as soluções de adaptação e mitigação. O evento integrou e alternou sessões científicas, tecnológicas, políticas e econômicas sobre as mudanças climáticas nos oceanos. Foram abordadas temas como as bases científicas das mudanças climáticas, as vulnerabilidades dos ecossistemas e populações costeiras, ações de manejo integrado baseado nos ecossistemas, a resiliência das pescarias e aquicultura, o sequestro de carbono pelos oceanos, os riscos costeiros, as possibilidades de energias renováveis e os mecanismos existentes de financiamento.

 Os oceanos devem estar em frente e no centro em nossa resposta às mudança climáticas... Os governos nacionais não podem alcançar sozinhos as metas de Paris. O sucesso dependerá da ação orquestrada de todos os níveis de governo, do setor privado e da sociedade civil.  E isto é mais verdadeiro para os oceanos, do que para qualquer outro setor” -  Ministro Inia Seruiratu de Fiji (Campeão da COP 23), durante o discurso de abertura do Oceans Action Day.

 A sessão Science and the Ocean, composta por um painel de 9 cientistas de diferentes instituições e países, teve a participação da Profa. Margareth Copertino do Instituto de Oceanografia da FURG. A sessão apresentou avanços do conhecimento sobre os oceanos e zonas costeiras desde o último IPCC, ressaltando a importância da pesquisa e da observação global dos oceanos ao desenvolvimento de estratégias de mitigação e adaptação das mudanças climáticas.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e diversos estudos recentes, a grande maioria das mudanças está ocorrendo nos oceanos – e continuará até que as emissões e remoção dos gases de efeito estufa esteja equilibrada. Os oceanos estão absorvendo 93% da energia térmica extra causada pelo aquecimento global. A absorção de 27% do CO2 pelos oceanos está provocando a sua acidificação. Os efeitos combinados do aquecimento, desoxigenação das águas, acidificação e elevação do nível do mar estão causando a redução da biodiversidade marinha e das pescarias, impactando as populações para além das regiões costeiras, afetando a segurança alimentar e as sociedades. Os cientistas do clima e dos oceanos alertam que as emissões de dióxido de carbono (e outros gases de efeito estufa) devem ser reduzidas muito mais rápido do que está previsto nas atuais National Determined Contribuitions (NDC’s – documentos que contém os compromissos e metas que cada país deve implementar para a redução das emissões). Se o Acordo de Paris não for alcançado, as alterações físicas, químicas e biológicas serão muito mais drásticas, e durarão pelo milênio. Desta maneira, uma pergunta norteadora é como a ciência oceanográfica/marinha poderá, de maneira coordenada e alinhada, embasar medidas ambiciosas que limitem o aquecimento em até 1,5 oC até o final deste século. 

Dentre as diversas ações que podem contribuir com medidas de adaptação e mitigação das mudanças climáticas a Profa. Margareth (IO-FURG) destacou a conservação e restauração dos ecossistemas costeiros e marinhos. Comparado com ecossistemas terrestres, ecossistemas costeiros vegetados -  manguezais, marismas e pradarias submersas - estocam e sequestram quantidades desproporcionais de carbono em sua biomassa e sedimentos (total aproximado de 400 Tg C y-1), equivalente a metade das emissões globais de transporte. Ocupando menos que 2% do assoalho marinho, estes ecossistemas contribuem com até 50% do carbono soterrado nos sedimentos marinhos. Através de diversas iniciativas, a ciência sobre o carbono costeiro (ou blue carbon) cresceu rapidamente na última década. O papel dos ecossistemas costeiros para os estoques e sequestro de carbono foi reconhecido pela UNFCCC, assim como inclusa nas metodologias de contabilidade das emissões pelo IPCC. Apesar disto, países com longas linhas de costa e ricos em blue carbono ainda estão negligenciando este componente chave nos processos de adaptação e de mitigação das mudanças climáticas. O Brasil, por exemplo, possui a segunda maior área de manguezal do mundo e uma extensão ainda desconhecida de pradarias marinhas. Por unidade de área, os solos dos manguezais brasileiros podem estocar de 3 a 4 vezes mais carbono do que o solo da Amazônia. Considerando sua área total (1,3 milhões de hectares), os manguezais brasileiros estocam quantidades entre 100 e 220 bilhões de toneladas de carbono. Estes estoques continuam ameaçados pela ocupação intensa e desenvolvimento acelerado costeiro, eutrofização, alterações nas bacias de drenagem, construção de rodovias, aquicultura intensiva e impactos da pesca predatória.

Sofrendo taxas de degradação entre 0,7 e 2% ao ano, mais da metade dos ecossistemas costeiros do mundo foram perdidos no últimos 50 anos, por pressões antropogênicas diversas. Quando impactados ou destruídos, este enorme sumidouro se transforma em fonte de emissões de CO2 e outros gases, contribuindo para o aquecimento global, de maneira similar as emissões causadas por desmatamento e mudanças no uso do solo. Um possível esforço global de restaurar entre 30% a 50% dos ecossistemas de manguezais, marismas e pradarias marinhas poderia reduzir as emissões em até 0,1 Pg (1Pg = 1015) de CO2 por ano, similar à contribuição por restauração dos ecossistemas terrestres. Contando os bens e serviços destes ecossistemas costeiros, que inclui pescarias e proteção da costa contra os impactos das mudanças climáticas, os ganhos com ações de conservação e restauração seriam muito maiores que o ganho pelo serviço de mitigação somente.

Em uma sessão específica sobre Blue Carbon, autoridades da Austrália, Indonésia, Fiji, Senegal, Equador e Costa Rica expuseram como seus países integraram os manguezais e pradarias submersas dentro das NDC’s, através do manejo sustentável, proteção, conservação e restauração, incluindo a criação de incentivos econômicos para as comunidades tradicionais e a integração dos manguezais nos mecanismos REDD+. Para a grande maioria dos países, entretanto, há ainda a necessidade de políticas mais específicas e robustas que reconheçam estes ecossistemas como mitigadores, integrando-os dentro das contabilidades nacionais de estoques e emissões de carbono, assim como dentro das metas das NDC’s.

O Ocean Action Day na COP 23 enfatizou o papel da ciência e da educação como a base sustentadora para ação, assim como para ampliar a compreensão sobre os oceanos como essencial para suportar a vida e as sociedades. A comunidade acredita que o foco nos oceanos poderá contribuir com o sucesso da implementação do Acordo de Paris e para a regulação da temperatura global.

O evento finalizou com a cerimônia de assinatura na “Because the Ocean Declaration”, documento lançado durante a COP 22 e que possui agora 32 países signatários. A declaração ressalta a relevância dos oceanos e conclama a todas as Partes para incluir a proteção dos oceanos nos seus NDC’s, tanto em ações de mitigação como de adaptação.

Diversas outros eventos e iniciativas chamaram a atenção para os oceanos durante a COP, dentre as quais ressalta-se a estratégia Ocean, lançada pelo presidente da COP 23 e Primeiro Ministro de Fiji. Esta ação anuncia a possibilidade de uma agenda e programa específicos para oceanos pela UNFCCC, com oportunidades de apoio a saúde dos oceanos e a manutenção dos seus ecossistemas, a partir dos fundos financeiros de mudanças climáticas mantidos pela UNFCCC.

 

Maiores informações:

 

Site oficial da COP 23: https://cop23.unfccc.int/

International Institute for Sustainable Developmente Reporting Services: http://enb.iisd.org/climate/cop23/oceans-action-day/

The Roadmap to Oceans and Climate Action (ROCA): https://roca-initiative.com/oceans-action-day-at-cop-23/

Video sobre o Ocean Action Day. https://vimeo.com/242463156

The International Blue Carbon Initiative. http://thebluecarboninitiative.org/

 

Because the Ocean Declaration.  (http://www.iddri.org/Themes/Because-the-Ocean-ENG.pdf

 

O Ocean Action Day foi organizado pela Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAO); Global Ocean Forum; Intergovernmental Oceanographic Commission of UNESCO (IOC-UNESCO); International Union for Conservation of Nature (IUCN); Ocean and Climate Platform; Ocean Policy Research Institute of the Sasakawa Peace Foundation, Japan; Oceano Azul Foundation/Oceanário de Lisboa, Portugal in collaboration with Conservation International; Future Ocean Alliance; Government of Chile; Government of Grenada; Government of Seychelles; Plymouth Marine Laboratory; International Federation of Red Cross and Red Crescent Societies; ROCA Initiative; Scripps Institution of Oceanography; and The Nature Conservancy.

A COMDIV do PPGOFQG informa que estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo CAPES/PNPD.

 

Maiores informações em:

 

http://ocean.furg.br/index.php/noticias/191-processo-de-selecao-para-vagas-no-programa-nacional-de-pos-doutorado-pnpd-mec-capes.html

O trabalho “Porto do Rio Grande (estuário da Lagoa dos Patos - RS): identificação e caracterização dos locais de lançamento de efluentes líquidos nas margens.”, desenvolvido pelos oceanólogos Profa Maria da Graça Zepka Baumgarten, Vivian Freitas de Aguiar e Lucas Almeida foi contemplado em Brasília, dia 9 de novembro, com o segundo lugar no Prêmio ANTAQ 2017 (Agência Nacional de Transportes Hidroviários), na categoria Artigo Técnico e Científico. Concorreu com 46 trabalhos desenvolvidos em portos brasileiros. Foi viabilizado pelo convênio entre o Porto do Rio Grande (SUPRG) e a FURG e se desenvolveu entre 2014 e 2015.

O artigo premiado é uma compilação (40 folhas) do relatório técnico entregue pela direção do porto ao IBAMA. Isso resultou no Parecer n° 2719/2016-76 COPAH, no qual está descrito que foi atendido o item “Monitoramento dos Efluentes”, requerido para a renovação da Licença de Operação do Porto do Rio Grande. Foi recomendado que os efluentes identificados como contaminados, sejam averiguados e fiscalizados pelos órgãos ambientais locais e estaduais competentes, de forma a estabelecer as responsabilidades quanto às irregularidades apontadas.

No trabalho foram avaliadas e mapeadas as margens do Porto Velho, Porto Novo e Superporto, sendo, identificados, georreferenciados, caracterizados (minuciosas tabelas) e fotografados 107 locais de lançamento de efluentes. Dentre estes, em 39 locais o efluente não estava vazando pelos canos, emissários ou valetas identificados (36,4% do total). Portanto, em 68 locais havia o lançamento de efluentes e, dentre estes, em 37 locais (54,4%) os efluentes estavam contaminados. Nos mapas de cada área avaliada, cada local de lançamento de efluentes foi identificado com um circulo em tom de azul. Quanto mais escuro, mais contaminado.

A caracterização qualitativa do nível de contaminação em cada local foi feita a partir da análise de amostras coletadas de cada efluente, do seu deságue e da água receptora. Para isso, foi usado in locu um kit analítico manual de baixo custo operacional. Isso permitiu evidenciar quais efluentes apresentam um potencial de contaminação das águas do estuário. Poirtanto, este diagnóstico revelou tecnicamente os lançamentos de efluentes clandestinos prejudicais ao ambiente aquático portuário.

Os autores concluíram que a estratégia usada nesse diagnóstico pode ser reproduzida em outros portos brasileiros que buscam a melhor qualidade ambiental. Entendem que um diagnóstico desse tipo, deve ser o início de programas que visam a gestão ambiental bem planejada de áreas marginais urbanizadas. Ele é uma ferramenta de relativo baixo custo operacional, que otimiza os recursos disponíveis para os referidos programas, pois indica dentre todos os efluentes identificados em margens, apenas os que precisam ser investigados e corrigidos quanto a sua fonte poluidora.

Considerando que, para que um problema possa ser resolvido ele precisa ser conhecido e diagnosticado com confiança e, que é mais fácil cuidar, preservar e bem gerenciar o que se conhece, fica a expectativa de que ações posteriores sejam adotadas pelos órgãos públicos ambientais e portuários, na busca de soluções dos problemas identificados. O estuário da Lagoa dos Patos e a comunidade de Rio Grande certamente serão beneficiados.